Balão Intragástrico

O tratamento com Balão Intragástrico é temporário e transitório (06 meses) e consiste na introdução de um balão inflável de silicone dentro do estômago por via endoscópica. Logo após a sua introdução, o balão é insuflado com cerca de 500-600 ml de líquido, com a finalidade de reduzir a capacidade do estômago e a ingestão de alimentos. Trata-se de um procedimento simples, sob leve sedação e que pode ser realizado ambulatoriamente. Não é cirurgia!

Entretanto, por ser um procedimento transitório, faz-se necessária a adaptação do paciente às mudanças comportamentais, como reeducação alimentar e práticas regulares de atividade física.

INDICAÇÃO:

  • Pacientes Superobesos (IMC acima de 50 kg/m2) com alto risco cirúrgico (Diabetes, Pressão Alta, Apnéia do sono) como procedimento prévio a cirurgia bariátrica
  • Pacientes sem indicação cirúrgica (ou que não desejam operar) com IMC ≥ 27 kg/m2.

CONTRA-INDICAÇÕES:
• Esofagite de refluxo, hérnia hiatal, estenose ou divertículo de esôfago, lesões potencialmente hemorrágicas, como varizes e angiodisplasias
• Cirurgia gástrica ou intestinal de ressecção
• Doença inflamatória intestinal
• Uso de anti-inflamatórios, anticoagulantes, álcool ou drogas
• Transtornos psíquicos

EFEITOS COLATERAIS:
São comuns náuseas e vômitos nos primeiros dias, que evoluem usualmente com melhora. A intolerância precoce a ponto de ter que retirar o balão é baixa, aproximadamente 1,5%.

COMPLICAÇÕES:
As complicações graves são raras, cerca de 0,1%, e podem ser:
• Aderências ao estômago; úlceras e erosões gástricas
• Esvaziamento espontâneo do balão com obstrução intestinal por migração do balão
• Perfuração gástrica
• Infecção fúngica em torno do balão
• A mortalidade é praticamente zero

VÍDEO EXPLICATIVO